Comitê contra Covid-19 diz que Brasil já comprou “vacinas para toda a população”

Comitê contra Covid-19 diz que Brasil já comprou “vacinas para toda a população”

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (31), o recém criado comitê contra Covid-19 se reuniu pela primeira vez. No encontro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, garantiu que o “país já contratou vacinas para toda a população” e disse que o congresso é a favor da compra de vacinas para Covid-19 por empresas privadas: “na guerra, vale tudo”, completou.

Além de Pacheco, estiveram presentes o presidente Jair Bolsonaro, o novo Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, além de Arthur Lira, presidente da câmara, que destacou que algumas regras talvez precisem ser mudadas em curto prazo para novas medidas de enfrentamento à pandemia.

publicidade

“É muito importante a comunicação, que haja um alinhamento da comunicação social do governo, da assessoria de imprensa da Presidência da República, no sentido de haver uma uniformização do discurso, de comprar vacinas, que é necessário se vacinar contra Covid-19, usar máscara, higienizar as mãos, necessário o distanciamento social de modo a prevenirmos o aumento da doença no nosso país”, afirmou ainda o presidente do Senado.

Compra de vacinas contra Covid-19

Queiroga destacou que “o compromisso do Ministério da Saúde é com práticas científicas sólidas” e disse que é necessário evitar aglomeração no feriado de Páscoa. “No feriado não pode haver aglomerações desnecessárias. É importante usar máscara, manter o isolamento. É importante fazer isso. Medidas extremas não são desejadas. Então vamos fazer isso”, completou.

Bolsonaro falou sozinho após o pronunciamento do ministro da Saúde e dos chefes das duas casas. O presidente discordou da posição de Queiroga em relação ao distanciamento social, mas mencionou a compra de vacinas contra Covid-19. “Não é ficando em casa que nós vamos solucionar esse problema. Essa política ainda está sendo adotada, mas o espírito dela era se preparar com leitos de UTI respiradores, para que pessoas não viessem a perder as suas vidas por falta de atendimento”, disse.

Leia mais:

“Nenhuma nação se sustenta por muito tempo com esse tipo de política. E nós queremos realmente é voltar à normalidade o mais rápido possível. Buscando medidas para combater a pandemia, como temos feito com a questão das vacinas”, completou também.

O Governo Federal prevê que o país tem no papel, entre doses encomendadas e outras que devem ser produzias no Butantan e na Fiocruz, cerca de 500 milhões de vacinas. Pela quantidade, daria para imunizar tranquilamente toda a população no país. Mas o prazo para a chegada dessas doses é incerto.

FONTE ORIGINAL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Suporte
Estamos online...