Cientistas regeneram células do nervo óptico de camundongo

Cientistas regeneram células do nervo óptico de camundongo

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Os cientistas da Universidade de Melbourne, na Austrlia, descobriram uma nova maneira de regenerar clulas do nervo ptico danificadas retiradas de camundongos e cultivadas em uma placa de Petri. A pesquisa, publicada na Scientific Reports, mostra que este desenvolvimento pode levar a potenciais tratamentos para doenas oculares no futuro.

Danos s clulas nervosas crescidas causam consequncias irreversveis e que alteram a vida, porque uma vez que as fibras nervosas amadurecem, elas perdem sua capacidade de regenerar aps leso ou doena.

Os novos experimentos mostram como a ativao de parte do mecanismo regenerativo de uma clula nervosa, uma protena conhecida como protrudina, pode estimular os nervos do olho a crescerem novamente aps a leso.

Com mais pesquisas, a conquista um passo em direo a futuros tratamentos para glaucoma, um grupo de doenas oculares que causam perda de viso ao danificar o nervo ptico (que liga o olho ao crebro).

“O que vimos a regenerao mais forte de qualquer tcnica que usamos antes. No passado, parecia impossvel sermos capazes de regenerar o nervo ptico, mas esta pesquisa mostra o potencial da terapia gentica para fazer isso”, disse o oftalmologista Keith Martin, da Universidade de Melbourne.

Pesquisa est nos estgios iniciais

Tentativas semelhantes de restaurar a viso em camundongos e alguns resultados promissores j foram vistos antes. Em 2016, os cientistas conseguiram regenerar uma pequena frao das clulas ganglionares da retina em camundongos adultos ativando um boto de crescimento dormente. Alm disso, mostraram essas novas clulas nervosas na parte de trs do olho reconectadas parte direita do crebro.

Em 2012, outro estudo restaurou parcialmente a viso simples de ratos adultos aps regenerar os nervos ao longo de todo o comprimento da via ptica.

A pesquisa atual ainda est em seus estgios iniciais e se concentrou em compreender precisamente como a protrudina, uma molcula de estrutura presente nos neurnios em formao, funciona para apoiar o crescimento celular.

sempre bom ter algumas opes, porque no h garantia de que resultados promissores em estudos com ratos se traduzam em tratamentos seguros e eficazes para as pessoas.

Nesse estudo, os cientistas estimularam as clulas nervosas do olho a produzirem mais protrudina, para ver se isso ajudaria a proteger as clulas de danos e at mesmo a reparar aps leses.

Primeiro, em clulas nervosas pticas cultivadas em um prato, os pesquisadores mostraram que o aumento da produo de protrudina estimulou a regenerao de clulas nervosas que haviam sido cortadas por um laser. Seus axnios delgados se regeneraram em distncias mais longas e em menos tempo do que as clulas no tratadas.

Setas vermelhas em 0 h aps a leso mostram o ponto da leso; setas brancas traam o caminho de um axnio em regenerao. Imagem: Petrova et al/Reproduo

Em seguida, camundongos adultos receberam terapia gentica – uma injeo direta no olho – contendo instrues para que as clulas nervosas aumentassem a produo de protrudina. Por mais doloroso que parea, esse procedimento pode realmente ser feito com segurana em pessoas (a injeo, isto , ainda no a terapia gentica).

Algumas semanas e uma leso no nervo ptico depois, esses ratos tinham mais clulas nervosas sobreviventes em suas retinas do que o grupo de controle.

Prximos passos

Em um experimento final, os cientistas usaram retinas inteiras de camundongos removidos duas semanas depois de dar a eles um reforo de protrudina, para ver se esse tratamento poderia prevenir a morte de clulas nervosas.

Os pesquisadores descobriram, trs dias depois, que estimular a produo de protrudina foi quase totalmente neuroprotetor, com essas retinas no exibindo nenhuma perda de neurnios [retinais]. Normalmente, cerca de metade dos neurnios da retina removidos dessa forma morrem em alguns dias.

Pikrepo/Reprodu

Pesquisa tambm pode encontrar forma de regenerar espinhal dorsal. Imagem: Pikrepo/Reproduo

“Nossa estratgia se baseia no uso de terapia gnica – uma abordagem j em uso clnico – para entregar protrudina no olho. possvel que nosso tratamento possa ser desenvolvido como uma forma de proteger os neurnios da retina da morte, bem como estimular o crescimento de seus axnios”, disse Veselina Petrova, estudante de neurocincia da Universidade de Cambridge.

No entanto, importante notar que estamos muito longe de restaurar a viso em uma pessoa. Assim, uma das prximas etapas ser verificar se a protrudina tem o mesmo efeito protetor em clulas retinais humanas em cultura.

Os cientistas que publicam este trabalho tambm planejam estudar se a mesma tcnica poderia ser usada para reparar neurnios danificados aps leso da medula espinhal.

“Os tratamentos identificados dessa forma costumam ser promissores na medula espinhal lesada. possvel que a protrudina aumentada ou ativada possa ser usada para impulsionar a regenerao da medula espinhal lesada”, comentou Petrova.

Fonte: Science Alert

FONTE ORIGINAL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Suporte
Estamos online...